Acampamento de baixo impacto

Educadores ambientais oferecem conversa e brincadeiras didáticas aos alunos que irão acampar para ajudá-los a construir um olhar regenerativo para o meio ambiente

Como fazer um acampamento de baixo impacto? Como melhor aproveitar a oportunidade de interagir com a natureza? Como não tornar o ambiente do acampamento hostil? Essa foi a temática da conversa dos educadores Guilherme e Lívia Ferreira com os 57 alunos do 3º Ciclo que irão acampar com 8 educadores na região da Serra do Cipó durante cinco dias. Atividade que faz parte da história da Escola da Serra desde os seus primórdios.

Como o cerrado é muito sensível é preciso caminhar na trilha já constituída e não andar lado a lado com alguém para não expandi-la. Uma pisada numa graminha pode impactar o local e provocar uma voçoroca.

Para lavar o vasilhame, deve-se usar o sistema de “três marias”, ou três bacias. Uma para o resíduo orgânico, outra com o sabão biodegradável e a terceira para retirar o sabão. A água com resíduo deve ser descartada distante do rio e no mato, que tem mais poder de absorção do que o rio. E o pouco que resta, torna-se mais nutriente do que contaminante. A lavação nas bacias impede a contaminação do rio com resíduos e óleo.

O processo do uso do banheiro seco também requer cuidados para não atrair moscas, que podem contaminar os alimentos, transmitir doenças. Portanto é muito importante jogar cal sobre os dejetos.

Para fazer uma reflexão sobre a convivência, os educadores fizeram jogos teatrais com os alunos. Meio para pensar na interação do eu com o outro, do outro com o espaço. Para refletir na forma de se posicionar com o outro, de se posicionar no espaço, de como se entregar para a vivência, respeitando o eu e o entorno.

Uma conversa com brincadeiras didáticas para ajudar todos a construir um olhar regenerativo para o ambiente, para ampliar a consciência da importância da regeneração do planeta Terra!




Notícias