Desempenho, avaliação e recuperação: O RDA

A partir do momento em que o aluno é admitido, passa a ser orientado, acompanhado e avaliado processualmente em relação ao seu empenho, compromisso, desenvolvimento, comportamento e atitudes.

Em nossa perspectiva, a avaliação do desempenho escolar sempre integra, dinamicamente, as vertentes diagnóstica (visando à identificação de conhecimentos já estabelecidos, possibilidades e dificuldades do aluno), processual (por ser contínua, prevalecendo os aspectos qualitativos sobre os quantitativos – ou seja, considera não só o resultado, mas também o próprio processo de aprendizagem) e formativa (sustentando o planejamento dos passos subsequentes do processo de aprendizagem). O desenvolvimento do autoconhecimento, da autoestima, da criatividade, da ética e da autonomia constitui parte essencial da formação do educando e, por conseguinte, do processo avaliativo.

Na Educação Infantil, um Relatório de Evolução do Aluno contendo registros detalhados da sua produção e desenvolvimento é construído de forma contínua e publicado no RDA. Ao final de cada semestre, na reunião com os pais, o Relatório é apresentado às famílias e, na reunião do final do ano, é a elas entregue.

No Ensino Fundamental e no Ensino Médio, a evolução do aluno é avaliada com base no acompanhamento diário do seu progresso, contemplando os três campos da cognição que compõem a formação de competências: o desenvolvimento de conceitos (conhecimentos), de habilidades (procedimentos) e de valores (atitudes). Diversos recursos e instrumentos poderão ser usados para a avaliação do aluno: atividades orais e escritas, trabalhos de campo e de casa, pesquisas individuais e coletivas, seminários, testes, arguições, provas, observação do seu comportamento, atitudes e conquistas. Qualquer que seja a atividade, contudo, o aluno "não receberá notas", pois nosso propósito é que ele estude pelo valor intrínseco da aprendizagem e esteja focado em sua própria evolução, ao invés de se voltar para o alcance de resultados numéricos e para a comparação com os colegas. Assim, em vez de notas, o aluno recebe observações do professor sobre seu desempenho e orientações sobre como superar suas dificuldades, o que lhe permite dedicar-se a sanar suas falhas de imediato.

Um sistema online denominado RDA (Relatório de Desenvolvimento de Aluno) viabiliza o acompanhamento contínuo e detalhado dos objetivos de aprendizagem, dos focos de estudo e da evolução do aluno. Nesse instrumento estão contidas todas as competências que constituem os objetivos de aprendizagem em cada área do conhecimento no ciclo. Ao clicar sobre uma competência, uma janela aparece elencando os conteúdos que a compõem, os quais consistem nos focos de estudo. Aqueles que o aluno estiver trabalhando no momento estarão indicados por EE (“em estudo”); conteúdos ainda por estudar estarão em branco; aqueles cujo estudo já tenha sido completado com sucesso estarão sinalizados com A (“domínio alcançado”); conteúdos já avaliados cujo domínio o aluno não tenha comprovado suficientemente estarão assinalados com o indicador AN (“domínio ainda não alcançado”). Assim que um aluno consiga A em todos os conteúdos componentes de determinada competência do ciclo, o próprio sistema a registrará como “competência alcançada.”

Alcançar significa atingir não um ponto, mas uma faixa de domínio do conteúdo (ou da competência) que vai do satisfatório ao excepcional. Coerentemente com o princípio de valorização da diversidade e de respeito às diferenças individuais, vemos com naturalidade o fato de os alunos demonstrarem níveis de desempenho diferenciados em cada área, resultado do seu maior ou menor interesse, facilidade ou intimidade com ela. Assim, enquanto um aluno alcançará uma incontestável proficiência em relação a uma determinada competência, outro, menos motivado naquela área específica, garantirá apenas o essencial. Ambos, entretanto, em níveis diferentes, terão assegurado seu direito e dever de aprender. Não há qualquer conotação de “bom” ou “ruim”, “adequado” ou “inadequado”, “competente” ou “incompetente”, “sucesso” ou “fracasso” nos indicadores A e AN: apenas e simplesmente indicam se determinado conhecimento já foi ou ainda não foi alcançado.

A recuperação de conteúdos é feita imediatamente após a eventual obtenção da menção AN, seguindo a orientação que o professor apresenta no próprio RDA. O aluno não poderá estudar outro conteúdo até que a pendência seja superada. Ou seja, a recuperação ocorre naturalmente ao longo do processo de aprendizagem, não havendo, por isso, recuperação final.

O RDA também permite o registro de observações do Tutor para o aluno bem como do aluno e sua família para o Tutor. É um recurso único, que permite uma verdadeira avaliação em processo da qual os alunos e suas famílias podem participar ativamente, tendo consciência do que está sendo estudado, do que foi avaliado e do que deverão fazer para superar suas dificuldades.